O mundo mágico do empreendedorismo – Parte I

Você já teve aquela sensação de mesmice? Nada de novo e nada empolgante? E então, algo extraordinário acontece! Este é o sentimento de um empreendedor. Mas afinal, o que é empreendedorismo?

EmpreendedorismoBem, você pode pensar num empreendedor como uma pessoa que possuía um trabalho maçante, extremamente repetitivo, e que de repente resolveu chutar o balde. Pediu demissão, fez um empréstimo e iniciou seu próprio negócio. Tudo isso em pouco tempo. É… as coisas não são bem assim.

A ação de empreender não limita-se à apenas a criação de um negócio mirabolante super lucrativo. Deve-se lembrar que isso é possível em qualquer área da vida: na escola, no trabalho, na faculdade, e até mesmo em casa. O empreendedorismo não encontra sua definição em coisas ou locais, mas sim em pessoas.

É o ser humano que dá vida à ação de empreender. Isso provém do desejo de conseguir ultrapassar seus próprios limites. Criar seus próprios caminhos. Cada vez mais pessoas adentram nesse “mundo das grandes possibilidades” porque acreditam que, com suas ideias, podem chegar em patamares onde nunca imaginaram estar antes.

Empreendedorismo – uma ideia brilhante

Existem vários exemplos de ideias espetaculares que tornaram-se gigantes de sucesso. É o caso do Google e Facebook. Algo bem interessante também é o mercado das Startups. Com simplicidade – na maior parte dos casos – arrebatam milhões de clientes. Mas será que para empreender é necessário obrigatoriamente abrir uma empresa?

É possível empreender em qualquer lugar. Porém, alguns empreendimentos almejam alcançar escalas maiores. Um bom exemplo são os que usam o entretenimento como base. Ou relacionamentos interpessoais com compartilhamento de conteúdo e mídias (redes sociais). Outros tentam resolver problemas que de alguma forma afligem parte da sociedade, o que pode abranger um enorme grupo de pessoas.

Nesse sentido é praticamente inevitável a não abertura de uma empresa. O que é bom, pois permite ao idealizador uma auto sustentabilidade com algo que ele criou. Ter uma grande ideia mas não ter um meio de impulsioná-la pode ser algo bem desagradável e frustrante no final das contas.

Vislumbrar o horizonte com pés em terra firme  

Pensar fora da caixa parece ser um grande desafio. Porém é ainda mais difícil alterar conceitos e manter os valores. Mudar atitudes sem perder a essência original. Empreender é sim um passo de coragem em direção ao desconhecido. Mas não é e nem deve ser uma ação impensada.

Lembrar sempre que por onde se anda há algo bem sólido e imóvel de apoio – o chão. Caso contrário, não haveria progressão alguma se o mesmo se deslocasse junto. Técnicas tradicionais bem consolidadas podem servir como referencial e minimamente, ceder algum grau de certeza para sua ideia.

O que você acha que devem ser as características de uma pessoa empreendedora? Já ouviu falar do Beiradão de Oportunidades? Deixe aqui seus comentários, curta e compartilhe com seus amigos empreendedores!

6 thoughts on “O mundo mágico do empreendedorismo – Parte I

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *